Mandioca ou Macaxeira?

Por Lucrécia Braz dos Santos*

 

 

 

 

 

 

 

      “Ooh! menino toma cuidado pra não comer mandioca achando que é macaxeira. Sabe que se comer mandioca embebeda e pode morrer!” (fala muito comum entre as pessoas que cultivam mandioca).  Você sabia que a espécie de planta Manihot esculenta (mandioca) possui uma alta diversidade de variedades?  E que a mandioca e a macaxeira são uma mesma espécie (Manihot esculenta)?  A mandioca (Manihot esculenta) é uma planta que possui muitas variedades, ou seja, existem vários tipos, diferenciando-se em algumas características. Por exemplo, a macaxeira a gente pode comer com tranquilidade, já a mandioca não, pois possui um composto extremamente tóxico.  
 

      A mandioca é muito importante na alimentação e até fonte de renda de muitas famílias que vivem em comunidades rurais. Os agricultores selecionam e cultivam uma diversidade de mandiocas com base em seus interesses. Assim, um grupo de pesquisadores realizou um estudo em sete comunidades rurais de Pernambuco, com o objetivo de analisar a distribuição das variedades da mandioca e se as condições socioeconômicas influenciam no conhecimento e uso dessas variedades.
 

      Os resultados mostram que fatores socioeconômicos influenciam o conhecimento e o uso das variedades da mandioca, ou seja, as pessoas com renda mais baixa, conhecem um maior número de variedades.  Isso talvez seja pelo fato de que essas pessoas geralmente não tem acesso aos produtos do mercado devido aos altos preços e precisam produzir mais para garantir o sustento da família.  Os agricultores  selecionam as  mandiocas de acordo com o conhecimento tradicional e suas preferências, como alto rendimento, boa qualidade de farinha e boa qualidade de cozimento. A maioria deles compartilham algumas variedades que são comuns a todos. 
 

       Os agricultores possuem muito conhecimento acerca da mandioca e cultivam uma alta diversidade, pois é preciso se adequar as secas severas da região. Quanto ao conhecimento e uso das variedades da mandioca, não houve diferenças entre homens e mulheres, isso pode estar relacionado ao fato de que, entre as comunidades estudadas, as mulheres estão envolvidas no processo de fabricação de farinha e subprodutos de mandioca.  
 

         Além disso, o fato dos agricultores mais experientes conhecerem maiores variedades de mandioca pode estar associado à migração dos jovens para centros urbanos, em busca de melhores condições de vida. Isso reduz a participação deles em atividades agrícolas, o que leva à perda de conhecimento sobre as variedades da mandioca.

Abaixo você encontra o link da página em que o artigo foi publicado.

          2020  

Intraspecific variation, knowledge and local management of cassava (Manihot esculenta Crantz) in the semiarid region of Pernambuco, Northeast Brazil. Environment. Development and Sustainability

Mirela Natália Santos, Jhonatan Rafael Zárate-Salazar, Reginaldo De Carvalho e Ulysses Paulino Albuquerque  

https://link.springer.com/article/10.1007/s10668-019-00323-6

*Lucrécia Braz dos Santos é graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Piauí-UESPI. Atualmente é Bolsista de Cooperação Técnica (BCT) no Laboratório de Ecologia e Evolução de Sistemas Socioecológicos (LEA) do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia-Etnobiologia, Bioprospecção e Conservação da Natureza da UFPE, responsável pela parte de Divulgação Científica. 

Lattes: lattes.cnpq.br/3817142117520941

images.jfif
  • w-facebook
  • Twitter Clean

Apoio